Saltar para o conteúdo principal Mapa do Website

Era uma vez um País assim: contar bem contadas a Ditadura e a Revolução

Teatro

01 — 07 Abr - 2019
Segunda a Domingo

Ver Sessões

Segunda a Sexta (Escolas) - 10h30 e 14h30;
Sábado e Domingo (Famílias) - 11h e 16h

01 — 07 Abr - 2019
Segunda a Domingo

Ver Sessões

Segunda a Sexta (Escolas) - 10h30 e 14h30;
Sábado e Domingo (Famílias) - 11h e 16h

Acessibilidade a pessoas com mobilidade reduzida.

Direção e Texto: Joana Craveiro
Cocriação e Interpretação: Estêvão Antunes, Francisco Madureira Inês Rosado e Tânia Guerreiro; Música/Sons: Francisco Madureira; Cenografia: Carla Martinez; Assistência de cenografia: Inês Minor; Figurinos: Ainhoa Vidal; Iluminação: João Cachulo; Produção: Cláudia Teixeira e Joana Cordeiro; Assistência de Produção: Mafalda Pereira e Elisabete Rito; Elisabete Rito, Francisco Madureira, Inês Minor e Mafalda Pereira participam nesta produção ao abrigo de um estágio curricular da ESAD.CR; Coprodução: Teatro do Vestido e São Luiz Teatro
Municipal; O Teatro do Vestido é uma estrutura financiada pela República Portuguesa / Ministério da Cultura / Direção Geral das Artes.

Público-alvo: 6 > 10 anos
A classificar pela CCE
€3 criança, €7 adulto

LGP – Sessões com interpretação
em Língua Gestual Portuguesa
Para escolas: 1 a 5 abril,
mediante marcação
Para famílias: 7 abril, 16h

SD – Sessão Descontraídas
Para famílias: 7 abril, 11h

Em 2019, o São Luiz Teatro Municipal comemora 125 anos. São muitos anos a ser palco para outras tantas histórias.

No País Assim chamado Portugal e durante 48 anos, houve uma Ditadura (palavra difícil). Dura e duradoura, estava aqui para ficar, e para mandar, e para controlar, e para meter assim dentro do coração das pessoas um medo gelado daqueles que circula pelo sangue todo. No meio desta noite de 48 anos, havia pessoas que, às escondi-das, lutavam, lutavam, para que um dia chegasse uma outra coisa mesmo boa começada por L. E um dia aconteceu. Foi na noite de 25 de Abril de 1974. Essas pessoas que tinham lutado às escondidas, puderam agora sair para a rua a escrever a tal palavra – Liberdade. E foi quando começou uma coisa a que se chamou Revolução. As revoluções são ventos que revolvem tudo e deixam aquilo que conhecemos de pernas para o ar e fazem-nos descobrir coisas que ainda
não conhecíamos.