Saltar para o conteúdo principal Mapa do Website

Cheira a Lisboa

Concerto

Praça do Comércio

Obter Direcções

30 — 30 Jun - 2022
Quinta

22h00

Praça do Comércio

Obter Direcções

30 — 30 Jun - 2022
Quinta

22h00

Luís Varatojo Consultor musical

Filipe Raposo, Pedro Moreira e Lino Guerreiro Arranjadores

Eduardo Cunha Direção técnica

Cristina Viana Grafismo vídeo

Nelson Carvalho Som

João Mendes Som de palco

Pedro Leston Direção de iluminação

Francisco Leston e Paulo Correia Iluminadores

Apoio à produção: Produtores Associados

Apoio: Marinha Portuguesa

Entrada livre

M/6

No dia 1 de julho de 1922, o Parque Mayer abriu as portas ao público para inaugurar o seu primeiro Teatro, o Maria Vitória, batizado em homenagem à atriz e fadista intérprete do famoso Fado do 31. Foi assim eternizada a jovem artista, falecida prematuramente, e selada a ligação umbilical entre a música e o teatro de revista. Nos anos seguintes, o Parque Mayer abriu o Variedades, 1926, o Capitólio, 1932, e o ABC, 1956. A revista ganhou notoriedade no contexto cultural e social do país e atingiu rapidamente o estatuto de espetáculo do povo. O Parque tornou-se num epicentro de atividade artística – com atores, encenadores, artistas plásticos, escritores e músicos – que deixou marca na cultura portuguesa.

Aos nossos dias chegaram, sobretudo, as canções. Êxitos intemporais como Cheira a Lisboa, Mocidade ou Zé Cacilheiro, entre outros, interpretados por grandes estrelas como Anita Guerreiro, António Calvário ou José Viana. Um repertório de forte cariz popular onde se cruzam as histórias do Parque Mayer e da cidade de Lisboa. São tantas as canções que fazem hoje parte do cancioneiro lisboeta, que difícil será ir a Alfama ou à Mouraria festejar os santos e não ouvir, pelo menos, meia dúzia delas.

Este espetáculo junta as mais populares e recupera algumas pérolas perdidas no tempo; por exemplo, Santo António, uma canção gravada por João Villaret e alvo do lápis azul em 1956, ou Boa Nova, uma das primeiras gravações de Amália Rodrigues, em 1942. Todo o repertório é objeto de uma nova leitura e adaptado para orquestra. Filipe Raposo, Pedro Moreira e Lino Guerreiro são os autores das orquestrações que a Orquestra Metropolitana de Lisboa, sob a direção do maestro Cesário Costa, levará ao palco da Praça do Comércio para acompanhar seis grandes vozes da atualidade. Anabela, FF, Katia Guerreiro, Luís Trigacheiro, Lura e Marco Rodrigues assumem as despesas da festa e recriam 22 clássicos para uma grande celebração do Parque Mayer, da cidade de Lisboa e da música portuguesa.

 

Orquestra Metropolitana dirigida pelo Maestro Cesário Costa

Anabela, FF, Katia Guerreiro, Luís Trigacheiro, Lura e Marco Rodrigues Vozes

Patrícia Silveira, Patrícia Antunes, Tó Cruz e Francisco Rebelo de Andrade Coro

José Manuel Neto Guitarra portuguesa

João Gentil Acordeão

 

Outros Eventos

Festa popular Arraiais Populares de Lisboa Vários locais
Concerto Formações Extraordinárias: Cantando Admont Centro Cultural de Belém (Pequeno Auditório) 21h00
Dança Boris Charmatz, [Terrain] Lisboa Alameda Dom Afonso Henriques
Cinema CineConchas Jardim da Quinta das Conchas 21h45