Saltar para o conteúdo principal Mapa do Website

Amor no Vale

Música

Vale do Silêncio

14 Set - 2019
Sábado

21h30
Orquestra Gulbenkian no Vale do Silêncio

Vale do Silêncio

14 Set - 2019
Sábado

21h30

COMO CHEGAR > METRO: OLIVAIS (LINHA VERMELHA); AUTOCARRO: 29B, 708, 731, 744, 759, 779.

Os concertos da Orquestra e Coro Gulbenkian no Vale do Silêncio têm sido momentos marcantes na programação do Lisboa na Rua, apresentando ao ar livre e num cenário original algumas das escolhas mais populares do reportório clássico. É esse o mote para o regresso este ano, numa noite em que o namoro entre a música clássica e o público promete ser particularmente arrebatador.

O maestro Nuno Coelho dirige um conjunto de árias operáticas de popularidade universal, ligadas por uma viagem que embora tome diversos caminhos, desemboca sempre na vertigem do amor. Só que o amor, bem o sabemos, tanto se manifesta como sentimento extasiante e romântico, em picos de felicidade, como se revela trágico e cruel. Da natureza indomável do amor, sentimento arrebatador e que toma conta dos gestos de homens e mulheres desde sempre – que escutamos na famosíssima ária “L’amour est un oiseau rebelle”, da Carmen de Bizet, ao pranto de Eboli amaldiçoando a beleza, causa de todos os seus males, em “O don fatale!”, de Don Carlo de Verdi –, o concerto coloca-nos diante de diferentes situações em que as vidas das personagens são transformadas pela ação do amor. Uma noite em que, traindo-lhe o nome, o Vale do Silêncio será preenchido pela música que emana diretamente dos labirintos do coração.

ORQUESTRA GULBENKIAN
Nuno Coelho, maestro
Dora Rodrigues, soprano
Cátia Moreso, meio-soprano
Marco Alves dos Santos, tenor
André Henriques, barítono

 

PROGRAMA

Georges Bizet
Abertura da ópera Carmen

Georges Bizet
Carmen: “L' Amour est un Oiseau Rebelle”

Wolfgang Amadeus Mozart
Don Giovanni: “Deh, vieni alla finestra”
As bodas de Figaro: “Non so più”

Giacomo Puccini
La Bohème:
“Che Gelida Manina”
“Si mi chiamano Mimi”
“O soave fanciulla”

Pietro Mascagni
Cavalleria Rusticana: Intermezzo

Giuseppe Verdi
II Trovatore: “ll balen”

Wolfgang Amadeus Mozart
Don Giovanni: “Mi tradì quell'alma ingrata”

Piotr Ilitch Tchaikovsky
Evgeni Onegin: “Kuda, kuda, vi udalilis”

Giuseppe Verdi
Don Carlo: “Tu che le vanità”
Abertura da ópera La Forza del Destino

Piotr Ilitch Tchaikovsky
A Dama de Espadas: “Ya vas lyublyu”

Giuseppe Verdi
Don Carlo: “O don fatale”

Giacomo PUCCINI
Tosca: "Vissi d'Arte

Gaetano Donizetti
Una furtiva lagrima