Saltar para o conteúdo principal Mapa do Website

Visitas guiadas ao Centro Ismaili

Visitas Guiadas

Centro Ismaili

Obter Direcções

16 Dez - 2017

14h, 14h30, 15h

Centro Ismaili

Obter Direcções

16 Dez - 2017

14h, 14h30, 15h

Avenida Lusíada, 1
Metro: Laranjeiras (linha azul)
Carris: 701, 726, 764

Máximo de 25 participantes por sessão;
inscrições a partir de 4 de dezembro,
para os contactos: 21 722 90 41 (9h30 às 13h e
14h30 às 19h)/nationalcouncil@cism.com.pt

No coração do bairro das Laranjeiras, entre vias rápidas que se cruzam e edifícios que se erguem para o céu, existe um oásis escondido: o Centro Ismaili de Lisboa, um espaço que há quase 20 anos abriu as suas portas à comunidade muçulmana ismaili e a quem o queira visitar, embora seja ainda desconhecido de muitos lisboetas. Trata-se de um edifício com três zonas distintas – uma institucional, uma religiosa e outra social – cujo projeto arquitetónico se inspirou na filosofia e tradições dos países islâmicos, combinando-as com as da Península Ibérica.

O centro conjuga três estilos e influências arquitetónicas representativas de regiões e períodos históricos diferentes: a herança tradicional portuguesa (manifestada através da construção em pedra), os ideais islâmicos (através da utilização constante da geometria) e o estilo andaluz, marcado pelos claustros, pátios e luxuriantes jardins interiores. Quem quiser conhecer este admirável edifício, pode fazê-lo através das visitas guiadas (sujeitas a marcação) e um concerto especialmente adequado a este espaço: a atuação do trio de Eduardo Paniagua, um arquiteto e músico espanhol, especializado em música medieval.

A vida e a cultura medieval na Península Ibérica eram muito distintas da realidade de outros países europeus durante a mesma época, dada a influência decisiva do mundo islâmico, dos hebreus
e dos sefarditas nas manifestações artísticas. A música hispânica muçulmana é um exemplo de simbiose cultural, resultado das misturas muçulmanas e cristãs que foram cozinhadas no caldeirão andaluz por mais de sete séculos. A música árabe-andaluza é um tesouro que sobreviveu e a sua preservação, o seu estudo e recuperação é um presente para 0a herança musical do Ocidente.

 

 

Apoio: